APAF na Assembleia Geral da Federação Portuguesa de Futebol

"Exmo. Senhor Presidente da Assembleia geral da FPF na sua pessoa cumprimento a mesa. 

Exmo. Senhor Presidente FPF, Caríssimos Diretores da FPF, Caros Conselheiros do Conselho Justiça, Conselho de Disciplina, Conselho de Arbitragem e Caros Presidentes das Associações Distritais, Associações de Classe, caros Delegados, meus senhores, minhas senhoras.

- A minha intervenção em nome da APAF e dos delegados da arbitragem da prestigiada assembleia visa demonstrar a nossa tristeza por mais uma serie de agressões que continuam a acontecer fim de semana após fim de semana.

- A arbitragem distrital está a ficar delapidada pouco a pouco e duvido que todos nós estejamos a fazer tudo o que podemos.

- Todos nós estamos cientes que este problema resulta da sociedade atual, uma sociedade onde valores como o respeito e a educação, vão perdendo o seu sentido e significado por tão pouco utilizados que são.

- Nós, Família do Futebol temos sido exemplo na sociedade em muitos casos, e por isso, devemos fazer os possíveis e impossíveis para terminar de vez com estes atos cobardes que vão destruindo esta família no seu local mais puro e mais importante, as bases.

- Não nos podemos esquecer que estes jovens que são agredidos, esmurrados e feridos na sua honra podiam ser NOSSOS FILHOS ou NOSSOS NETOS, ou será que nós fazemos parte desta família, mas não queremos que os nossos filhos e netos façam parte dela??? 

- Deixo algumas notas para que todos possamos pensar um pouco ?

- Sabem porque é que o nosso País é tão procurado ao nível do Turismo? Sim. Isso mesmo, por sermos um País seguro e sermos um País de Campeões, entre outras valências de luxo que temos neste pedaço do globo.

- Mas já que sabemos receber tão bem os outros, porque tratamos tão mal os nossos?

- Peço desculpa, mas continuamos a fazer de conta que nada se passa no nosso futebol, continuamos a desvalorizar o que continua a afastar as pessoas do futebol ? 

A VIOLÊNCIA.

- Não nos estamos a esquecer do quanto é difícil tirar um jovem dos computadores e dos telemóveis ?, não nos estamos a esquecer que nestas últimas gerações temos lutado e iremos lutar contra um concorrente de peso que são os jogos online, onde os nossos jovens não precisam de ir para o hospital por se lesionarem ou ficarem sem 70% de audição como foi o caso de um dos jovens de 17 anos que foi agredido na passada semana, basta clicar e começar novo jogo?

- Nós infelizmente, nesta nossa realidade não temos o Game Over e Start Again, temos sim, por cada situação destas, uma desistência direta e mais uma série de jovens que fogem da nossa nobre atividade ao verem o ocorrido com o amigo.

- Eu não quero de forma nenhuma, aproveitar estas autênticas vergonhas com que nos deparamos semanalmente, em benefício próprio na defesa da classe que represento, quero apenas que este motivo não seja mais um dos que teimam em afastar os jovens desta nobre atividade.

- Mas por favor, também não escondam o real problema, é hora de o erradicar, sem Show Off e com toda a efetividade possível.

- Como sabem a Comunicação é uma arma que, utilizada profissionalmente, serve para valorizar o insignificante ou banalizar o grave, mas infelizmente a Comunicação não sara as feridas nem cura as dores.

- Não podemos esconder o que é factual, mesmo que as agressões sejam 0,001% do número de jogos, não podem ser vistos como números apenas, têm de ser vistos como perda do movimento associativo, estamos a falar de pessoas, de crianças, de jovens que a muito, muito custo de dezenas de pessoas de forma gratuita, tentam trazer e manter a Arbitragem por esses distritos fora, para  depois aparecerem estes ?cobardes? que com atitudes que envergonham os seus filhos, mandam para o lixo todo o trabalho realizado com paixão e dedicação.

- TODOS NÓS investimos dinheiro nestes jovens, desde o recrutamento á retenção, precisamos e queremos todos e mais houvesse, mas fim de semana após fim de semana, continuamos a deitar dinheiro fora, porque não estamos a in